quinta-feira, 24 de junho de 2010

Sobre fazer gente

Texto de Silmara Franco
"Quando eu estiver diante de Deus para prestar contas, e ele perguntar o que fiz durante a vida, para ver se mereço tomar chá com rosquinhas em sua companhia na varanda do céu, aos sábados, direi: um bocado de coisa. Fiz amigos, irmãos, faculdade, festa. Tricô (crochê não), planos, piada e poesia. Fiz amor, não fiz guerra. Fiz de conta e fiz por merecer. Fiz que não vi, fiz por fazer, fiz sem fazer. Fiz chorar. Fiz tempestade em copo d’água. Fiz bolo para vender no colégio e vestido na máquina de costura da minha mãe. Fiz aniversário quase uma centena de vezes. Fiz de tudo para ser feliz. Mas se ele quiser saber do que mais me orgulhei de ter feito, responderei: gente.
Tenho um filho que não fui eu que fiz, já veio pronto: meu enteado. Meu primeiro filho foi, portanto, o segundo. Feito quando quase acreditei que não daria mais tempo. Deu. Hoje sei que havia tempo de sobra. A gente nunca entende direito o tempo do tempo. Depois, fiz minha filha. Não há nada mais poderoso do que uma mulher com outra dentro. Costumo dizer que tenho, então, três filhos. Dois que saíram da barriga e um que entrou no coração. O que, no final, dá no mesmo. Tatuei seus nomes no verso do meu corpo. Publiquei o amor.
Brinco que quando se tem filhos a vida vira de ponta-cabeça. Interessante: de cabeça para baixo a gente enxerga as coisas de outro jeito, é só fazer um teste na sala de casa. Com filhos, nos despedimos do sono tranquilo, do umbigo próprio, da vida no singular. Damos ‘até logo’ para a carreira. Por outro lado, dizemos ‘olá’ aos novos personagens dos sonhos, às diferentes formas de trabalho, à vida no plural.
Fazer filhos é um processo artesanal. Sai um diferente do outro. Uma falhinha aqui, um defeitinho ali. É justamente esse o charme. Quando se decide fazê-los, não se sabe como eles virão. A vida não tira pedido. É tudo surpresa. Não há acasos, porém. Filhos são exatamente como precisamos que eles sejam, e vice-versa. Disso não se deve duvidar, muito menos reclamar. É bom repassar essa lição de vez em quando.
Gosto de ver meus filhos dormindo com o pai. Assim posso decorá-los com calma. Gosto de vê-los tomando banho. Gosto, sobretudo, de vê-los desenhar. Nessa hora eles recriam o que já esqueci. Gosto quando contam histórias sem sentido e fazem associações malucas. Gosto quando aprendem coisas novas; no fundo, estão é me lembrando que não tenho feito isso. Gosto quando cantam fora do tom, inventam notas e vão montando a trilha sonora das suas vidas. Gosto de reconhecê-los pelo cheiro e pelo gosto. Gostaria de carregá-los pelo cangote, como fazem as gatas. E gosto de ver o que não via antes deles.
Perguntaram se os filhos me abriram novos olhos para o mundo. Eu disse que não. Meus olhos são os mesmos de antes. Tudo que fiz foi mudar a direção do olhar."
Tive que compartilhar esse texto com vocês porque achei de uma profundidade absurda. Aproveito para linkar a autora Silmara, que tem um blog super especial, onde ela escreve crônicas e outros textos, o Fio da Meada.
Sou apaixonada nos seus textos, e vira e mexe lendo algum deles, caio no choro aqui, sozinha.... Esse foi um deles.

Tenham um ótimo final de tarde.

12 comentários

Quiosque de Ideias / Amizades disse...

oi amiga
eu não chorei, mas me prendeu do principio ao fim, tanta verdade, tanto sentimento onde muitos de nós com certeza nos identificamos, obrigado por partilhar
bjs
Paula

Marcia disse...

Oi, Aline! Texto lindíssimo e super verdadeiro! Beijocas.

Desabafando disse...

Que lindo o texto! Achei que vc ia falar de gravidez rsrsrs...já que disse que anda sensível com esse assunto! rsrsrs...

Sheila disse...

Amei,amei,amei!!!

Beijos

Lu CY - Babalu Artes disse...

Então são duas chorando!
E eu acabei de escrever um e-mail falando de minha sobrinha e a empreitada da minha irmã...
Eita!
Beijo

Karina Agostinho disse...

Oi, querida!

Lindo texto, lindas palavras.
Linda escolha pra colocar aqui no blog.

Bjos.

Naty Young disse...

Oi, Aline.
Tudo bem?

Adorei o texto. Foi muito verdadeiro e me tocou muito nesta fase que estou passando.

Realmente, a gente não sabe o que esperar e isso dá um aansiedade, um medo.. mas, tento não ficar pensando sobre o assunto.. Prefiro deixar as coisas acontecerem, como sempre fiz. E, qdo ela diz que não se pensa mais no singular, isso a gente já sente desde qdo pega o resultado do exame no laboratorio. eheheheheheheheeh Uma doidera, Amiga.

Fiquei curiosa com o coments da Desa.. Já estás pensando em encomendar o seu baby?

Bom, vim mesmo desejar-te um findi lindo e proveitoso.
Beijooosss enormes.

Ahhhh, preciso de uma dica. Comprei uma cesta de manicure de mdf, como eu faço pra pintar aquelas grades pra depois conseguir encaixar de novo?

Andréa Brandão disse...

Lindo texto, obg por compartilhar!
E obg tbm pela visita e pelo comentário.

Ótimo fds!

Bjos

** Dri ** disse...

Simplismente AMEI!!!
Sem palavras...

Olavo disse...

Realmente..um belo texto.
Parabens pela escolha.
Bjs

Aline disse...

hahahaha....não meninas, bebê aqui ainda vai demorar um pouco a chegar!! =)

Beijokss

Clara disse...

Achei lindo também, e tudo verdade!
Bjossssssssssss

Postar um comentário

^