sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Fotografia

Um meio de não esquecermos o passado, de lembrarmos momentos felizes, recordar pessoas que não vemos há muito tempo, pessoas que nunca mais veremos, marcar um momento, um encontro, uma fase...
A fotografia nos faz ver as coisas pelos olhos de quem a tirou.
Não sei o que seria da minha vida sem os meus álbuns de fotografia! Não gosto de fotos no computador, é tão frio, tão distante... gosto de poder tocar, ir e voltar quantas vezes necessário até matar a saudade. Por falar nisso, tem tempo que não revelo minhas fotos. Tenho muitas fotos no pc, preciso reunir tudo, selecionar as que serão reveladas e isso leva um tempinho...
Desde pequena sou apaixonada por fotos. Quando tinha 12 anos sempre pedia a câmera da minha mãe emprestada, adorava ter uma máquina fotografica em minhas mãos, tirava foto de tudo, adorava aquelas fotos tiradas na surpresa onde a outra pessoas não esperava e eu acabava captando alguma cena engraçada ou curiosa... Depois fui aprendendo a selecionar mais o que seria fotografado, afinal, um filme tinha apenas 36 poses e a revelação era cara(rs). Com 16 anos já tinha minha própria câmera, só me falha a memória agora se eu mesma comprei ou se ganhei dos meus pais... Sinceramente não me lembro! Nossa, e nem estou tão velha assim para esquecer as coisas... Mas se eu me lembrar volto para contar!
Tenho foto de todas as minhas idades... estranho quando alguém me diz que não tem foto da infância ou adolescência, isso para mim se tornou uma coisa tão natural e tão essencial que não sei fazer um passeio sem levar comigo minha câmera! Que hoje é a do meu celular. Precisava de uma câmera e de um celular. Meu marido resolveu meu problema e me deu os 2 em 1.
As fotos que posto aqui são todas tiradas por mim... Nunca fiz cursos, mas acho que para sentir a essência das coisas não é preciso curso, apenas sensibilidade, portando minhas fotos não são profissionais... apenas amadoras, nos dois sentidos da palavra.
Enquanto escrevo esse post escuto "Fotografia" de Leoni. Quem não conhece, procure pelo YouTube, é simplesmente linda.


"E quando o dia não passar de um retrato
Colorindo de saudade o meu quarto
Só aí vou ter certeza de fato
Que eu fui feliz

O que vai ficar na fotografia
São os laços invisíveis que havia"

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Feito a mão



Me perguntava sempre, se o artesanato não é tão valorizado por parte de quem compra ou de quem faz. Mas hoje acho que o maior responsável é o próprio artesão, digo o maior e não o único! Passeando por feirinhas a gente se depara com peças e trabalhos lindíssimos feitos a mão e que são cobrados por eles uma mixaria! O lucro é tão baixo que calculo que para pagar uma conta de luz o artesão tenha que vender 20 peças daquela. É sim, hoje muitas pessoas escolhem esse caminho por falta de opção, falta de emprego e fazem suas pecinhas e saem com a esperança de venderem o suficiente para passar aquela semana.
E se deparam com consumidores acostumados com a concorrência do mercado. Acostumados a pagar barato por produtos industrializados, aqueles que foram produzidos em uma máquina capaz de gerar 1.000 iguais aquele em um dia. Assim fica difícil competir, não acha?
Se esquecem que um produto artesanal, levou tempo para ser produzido. Tem peças que levamos mais de um dia para fazer! Sem contar, no capricho, no amor que dedicamos a cada trabalho. São horas ali se preocupando com detalhes, com o resultado final.
E a saída para muitos artesãos é cobrar pouco para poder vender e não ficar no prejuízo. Mesmo que o lucro seja apenas de R$1,00 ou R$5,00. E com isso o consumidor se acomoda, se acostuma a pagar aquela mixaria e passa a pensar que todo trabalho artesanal deve custar pouco, o suficiente para terem certeza que saíram no lucro, caso contrário não compram, pois as inúmeras lojas e shoppings da vida oferecem outros produtos parecidos (porém industrializados) com menor valor. São consumidores que não se importam em pagar R$200,00 em uma calça de grife, gastar R$30,00 em uma única refeição, porém sentem-se explorados ao se depararem com produtos feitos a mão custando aquilo que deveria custar.
A maioria das pessoas vê o artesanato como uma alternativa para se economizar, por isso deve-se pagar pouco! Gente! Que país é esse??? Não me entra na cabeça como as pessoas tratam o artesanato com tanto desrespeito, tanto pouco caso.
Isso além de triste é revoltante!
Mas... como não posso mudar a cabeça do mundo todo, peço apenas que você reflita! Se é um consumidor, saiba que artesanato é uma oportunidade de ter em sua vida, em sua casa uma peça única e que levou horas para ser elaborada. Mas se você é um artesão, como eu, valorize sempre seu trabalho! E se deparar com pessoas incapazes de valorizá-lo, não se deixe levar, não se abaixe para poder agradar a esses. Tenha paciência, que apesar de tudo, hoje, ainda há pessoas que sabem dar o devido valor a cada coisa!

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Como comecei... Parte II

Bom, há um ano e meio decidi voltar a pintar, só que dessa vez estudaria mais sobre o assunto antes de quebrar a cabeça!!!rs...
Resolvi que dessa vez seria pra valer, e queria trabalhar mesmo com isso.
Li bastante sobre o assunto, tive a ajuda de artesãs mais experientes. Encontrei sites, comunidades e blogs que me ajudaram muito!
Minhas compras foram mais direcionadas, e aos poucos fui conhecendo a infinidade de produtos que existem no mercado para artesanato.
Tive um incentivo muito grande do meu marido, e da minha mãe, que também é uma artesã de mão cheia!!! Ainda postarei trabalhos dela aqui.
Minha maior dificuldade no começo era vender. Não sabia como colocar preço, onde oferecer...
Mas não desisti.
Hoje, faço minhas peças, que amo de paixão, tenho minhas clientes fiéis, e dou aulas!
Aqui vou colocando fotos dos meus trabalhos: http://alinevachelli.gigafoto.com.br

Como comecei... Parte I


Há uns 5 anos, andando pela minha cidade, vi uma loja que de cara me interessou. Tinha de tudo um pouco... só coisas para artesanato, entrei e comecei a fuçar em tudo. Então resolvi comprar algumas coisinhas para começar uma produção.
E... como toda (ou quase toda) iniciante, resolvi começar sem fazer curso nenhum! Fui pegando o que me interessava, algumas caixas cruas (todas enormes), algumas tintas, lixa, pastilhas para mosaico (???) até hoje me pergunto "Por que raios eu comprei pastilhas para mosaico?", mas tudo bem... e comprei guardanapos, esses são o vício de qualquer artesã! E pincéis... nem me fale nos pincéis... achava que as cerdas eram todas iguais, então peguei os mais baratos, que por sinal já eram caros! E se bem me lembro comprei umas 2 revistas de pap (passo-a-passo), acho que foi só...
Fui para casa toda feliz.
Nem preciso dizer que foi um desastre né?
Não sabia como proceder com as tintas, os pincéis, os produtos que não eram solúveis em água e principalmente não sabia colar um guardanapo!!! Porque isso, foi uma coisa que apanhei muito para aprender. Mas isso é assunto para outro post, juntamente com a maneira certa de se proceder para quem ainda tem dificuldade!
Bom, consegui sim fazer algumas caixas.
Mas, infelizmente desisti logo... porque encontrei muitas dificuldades e desanimei.
E guardei tudo... nunca mais mexi....

Entre Pincéis


Como é difícil escolher um título... Fiquei horas pensando em vários, e quando finalmente a inspiração me vinha, eis que não podia usar pois um outro usuário já estava usando. Mas o pior não era isso, era que, ao verificar a página com o tal nome percebia que a pessoa criou um blog, escolheu um nome e simplesmente não deu continuidade! São muitos títulos perdidos assim.
Então, depois de mais de um dia de tentativas, eis que ficou ENTRE PINCÉIS.
Mas vou explicar o por quê.
Para uma pessoa que trabalha com tintas, pincéis, figuras, tecidos... não há nada melhor que estar entre aquilo que mais ama! E por isso quando digo, entre pincéis, quero dizer entre minhas paixões, minhas criações! Porque artesanato para mim é paixão, é poder criar, deixar a imaginação voar solta.
<<
^